Diagnóstico e Tratamento da Tireoidite Aguda


Revisão geral sobre o diagnóstico e tratamento da tireoidite aguda

Drs. Renan Magalhães Montenegro Jr, Renan Magalhães Montenegro e Lucio Vilar

Conceitos Gerais Manifestações Diagnóstico Tratamento Acompanhamento

 

TIREOIDITE AGUDA

PONTOS PRINCIPAIS

DEFINIÇÃO: Processo infeccioso agudo que acomete a tireoide através de implantação direta ou disseminação hematogênica do patógeno.

CAUSA PRINCIPAL: Bacteriana.

QUANDO SUSPEITAR: Na presença de febre, dor intensa à palpação da tireoide, sinais flogísticos locais (aumento de temperatura, eritema cutâneo).

APRESENTAÇÃO CLÍNICA: Dor cervical anterior, febre, astenia, sinais locais de inflamação (aumento de temperatura, eritema cutâneo, dor à palpação).

DIAGNÓSTICO: Ultrassonografia mostrando o processo supurativo localizado na tireoide, confirmado por punção aspirativa com agulha fina do abscesso.

TRATAMENTO: Terapia antibiótica ou antifúngica, orientada pelo tipo de patógeno identificado pela aspiração, analgesia, drenagem do abscesso.

 

INTRODUÇÃO

A tireoidite aguda faz parte dos processos inflamatórios da tireoide, as tireoidites (Anexo 1 ). É uma patologia de ocorrência mais comum em crianças do que em adultos. É rara, mas sua frequência vem aumentando devido à elevação no número de pacientes imunodeprimidos. Tem origem em geral bacteriana, sendo que a tireoide pode ser infectada por virtualmente qualquer bactéria. Raramente, infecção fúngica tem sido descrita, sobretudo em imunodeprimidos. A baixa frequência de sua ocorrência resulta da resistência da tireoide a infecções, em função de sua encapsulação, alto teor de iodo, rico suprimento sanguíneo e extensa drenagem linfática.

É mais frequente em indivíduos com doença tireoidiana prévia (câncer, tireoidite de Hashimoto e bócio multinodular) ou naqueles com anomalia congênita, tais como a persistência do cisto tiroglosso ou a presença de fístula do seio piriforme, esta última, fonte mais comum de infecção em crianças. É particularmente comum em pacientes com AIDS, nos quais infecções por pneumocystis carinii e outros germes oportunistas têm sido relatadas.

Apresenta-se clinicamente com dor cervical anterior, febre, astenia e sinais locais de inflamação. O diagnóstico é feito através de ultrassonografia que mostra um processo supurativo localizado na tireoide e é confirmado por punção aspirativa com agulha fina. O tratamento é realizado com terapia antibiótica ou antifúngica guiada pelo tipo de patógeno identificado pela aspiração, analgesia e drenagem do abscesso.

 

 

SINÔNIMOS PARA A TIREOIDITE AGUDA

  • Tireoidite piogênica
  • Tireoidite bacteriana
  • Tireoidite supurativa

 

ETIOLOGIA DA TIREOIDITE AGUDA

 ETIOLOGIA   OCORRÊNCIA    OBSERVAÇÕES
Bacteriana Comum Qualquer bactéria pode, potencialmente, causar tireoidite aguda. Os agentes etiológicos mais comuns são o Staphylococcus aureusStreptococcus pyogenes e Streptococcus pneumoniae. Outros menos frequentemente implicados incluem os anaeróbios, bacilos gram-negativos (Escherichia coliSalmonellaHaemophilus influenzae), meningococos, Treponema pallidum (em associação com sífilis) e Mycobacterium tuberculosis (em associação à tuberculose).
Fúngica Incomum  Os agentes fúngicos descritos em associação à esta doença, sobretudo em pacientes imunodeprimidos, incluem Aspergillus,Coccidioides immitisCandida albicansAllescheria boydiiAcinobacter baumanii e Pneumocystis carinii têm sido descritas.  

 

Conceitos Gerais Manifestações Diagnóstico Tratamento Acompanhamento

 

 

 

ago 14, 2012 by

Comments Closed