Diagnóstico e Tratamento do Bócio


Revisão abrangente sobre aspectos gerais, manifestações, diagnóstico e tratamento do bócio

Drs. Fernanda Vaisman e Mario Vaisman

Conceitos Gerais Manifestações Diagnóstico Tratamento Acompanhamento

 

 

PONTOS PRINCIPAIS

DEFINIÇÃO: Bócio é um aumento de volume da glândula tireoide (bócio) associado à presença de um (uninodular) ou mais (multinodular) nódulos.

QUANDO SUSPEITAR: Em pacientes com aumento de volume cervical anterior.

APRESENTAÇÃO CLÍNICA: O bócio pode ser percebido pelo próprio paciente ou pode ser achado de exame físico (1). Ocasionalmente, o bócio é identificado em exames de imagem realizados para avaliação de outras estruturas cervicais ou torácicas (ecografia, tomografia computadorizada, ressonância nuclear magnética). A presença do bócio é confirmada por ecografia que serve também para avaliar melhor as características dos nódulos e identificar aqueles com sugestão de malignidade.

TRATAMENTO: Se bócio volumoso, cirurgia (tireoidectomia parcial ou total) ou iodo radioativo. Se houver presença de nódulo maligno o tratamento é cirúrgico com tireoidectomia total.

 

Diagnóstico e Tratamento do Bócio

 

INTRODUÇÃO

A doença nodular tireoidiana, definida como lesão intratireoidiana palpável ou que se distingue do parênquima normal à ultrassonografia, é uma das principais patologias na clínica endocrinológica. Estima-se que 4 a 7% da população geral tenham nódulos tireoidianos palpáveis; esta frequência se eleva para 60-70% se forem levados em conta achados de ultrassonografia e autópsia. O bócio pode ser uninodular ou multinodular (dois ou mais nódulos) e tóxico ou atóxico. Sua apresentação clínica é bastante variável, desde um achado ultrassonográfico durante exame de rotina até nódulos volumosos e visíveis. Em casos de nódulos funcionantes, o paciente pode se apresentar clinicamente hipertireoideo com manifestações como perda de peso, tremor de extremidades, sudorese, taquicardia, insônia, nervosismo. Em outros casos, o paciente pode apresentar nódulos volumosos, levando à destruição do tecido tireoidiano normal, podendo ocasionar hipotireoidismo. Após afastar malignidade no(s) nódulo(s), o tratamento do bócio deve ser individualizado de acordo com as características do nódulo, presença de sintomas compressivos e funcionalidade.

 

SINÔNIMOS PARA BÓCIO

  • Bócio nodular
  • Doença nodular tireoidiana
  • Bócio multinodular tóxico
  • Bócio multinodular atóxico

 

ETIOLOGIA DO BÓCIO

 ETIOLOGIA   OCORRÊNCIA     OBSERVAÇÕES 
Autoimune Comum A ocorrência da tireoidite autoimune favorece a formação de nódulos tireoidianos.
Idiopático Comum Avaliar as características do nódulo para afastar malignidade.
Malignidade Incomum Apenas 5% dos nódulos tireoidianos são malignos e, ocasionalmente, um nódulo maligno pode estar presente em um bócio multinodular.
Endêmico Incomum Relacionado à baixa ingesta de iodo, incomum em nosso meio.

 

CLASSIFICAÇÃO DO BÓCIO

 CLASSIFICAÇÃO   BASE PARA A CLASSIFICAÇÃO  OBSERVAÇÕES
Uninodular ou multinodular Número de nódulos A presença de mais de um nódulo caracteriza o bócio multinodular.
 Tóxico ou atóxico Níveis hormonais (T3, T4 livre, TSH) Tóxico: Há redução dos níveis de TSH, com ou sem elevação de T3 e T4 livre.Atóxico: Há níveis normais de TSH, T3 e T4 livre.

 

Conceitos Gerais Manifestações Diagnóstico Tratamento Acompanhamento

maio 11, 2014 by

Envie seu comentário (não utilize este formulário para envio de dúvidas)

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *