Diagnóstico e Tratamento do Carcinoma Diferenciado da Tireoide


Revisão abrangente sobre diagnóstico e tratamento dos carcinomas diferenciados da tireoide (papilífero e folicular)

Dra. Joyce do Rosário da Silva

Conceitos Gerais Manifestações Diagnóstico Tratamento Acompanhamento

 

 

PONTOS PRINCIPAIS

DEFINIÇÃO: Neoplasia maligna da tireoide, de subtipo papilífero ou folicular.

CAUSA PRINCIPAL: Predisposição genética.

QUANDO SUSPEITAR: Na presença de nódulo em topografia de tireoide.

APRESENTAÇÃO CLÍNICA: Nódulo de tireoide cujo crescimento é observado pelo próprio paciente ou durante exame físico. Raramente, pode haver dor local (associada a sangramento no interior do nódulo), disfonia, estridor ou disfagia.

DIAGNÓSTICO: Estabelecido através da punção aspirativa com agulha fina guiada ou não por ultrassonografia e análise citológica do material aspirado. Em casos de citologia inconclusiva (lesões foliculares), o diagnóstico é somente estabelecido após cirurgia, através da análise histopatológica do nódulo.

TRATAMENTO: Tireoidectomia total ou quase total. Em pacientes de baixo e alto risco (Anexo), administra-se iodo radioativo para ablação após a cirurgia, seguido da da administração de levotiroxina em dose supressiva para manutenção de níveis séricos abaixo de 0,1 mU/L. Em pacientes de muito baixo risco, recomenda-se apenas administração de levotiroxina para manutenção de níveis séricos de TSH entre 0,5 e 1,0 mU/L.


INTRODUÇÃO

O carcinoma diferenciado da tireoide é a neoplasia maligna mais comum na endocrinologia (1). São considerados carcinomas diferenciados os subtipos papiífero e folicular, pois à semelhança da célula tireoideana normal, são capazes de secretar tireoglobulina e captar iodo. O carcinoma indiferenciado, ao contrário, não é capaz de exercer estas funções e possui um prognóstico pior quando comparado ao diferenciado.

A origem dos tumores tireoidianos malignos é genética. Várias mutações já foram descritas como as do gene BRAF e RET-PTC (2). A doença se apresenta clinicamente como um nódulo sólido, indolor, na região cervical anterior (1).

 

SINÔNIMOS PARA O CARCINOMA DIFERENCIADO DA TIREOIDE

  • Neoplasia maligna da tireoide
  • Tumor tireoidiano
  • Câncer de tireoide

 

ETIOLOGIA DO CARCINOMA DIFERENCIADO DA TIREOIDE

 ETIOLOGIA   OCORRÊNCIA     OBSERVAÇÕES 
Genética Incomum Mutações genéticas já descritas como as do gene BRAF, RET-PTC e RAS no carcinoma papilífero e a translocação PAX8PPAR gama no carcinoma folicular (2, 3).
Radiação ionizante Incomum Tratamento de outros tumores (exemplo, linfoma); acidentes nucleares (exemplo, Chernobyl) (3)

 

CLASSIFICAÇÃO DO CARCINOMA DIFERENCIADO DA TIREOIDE

 CLASSIFICAÇÃO   BASE PARA A CLASSIFICAÇÃO  OBSERVAÇÕES
Papilífero e folicular Histologia Papilífero: Tem origem nas células epiteliais foliculares, e apresenta disseminação predominantemente local por via linfática. Possui diversos subtipos histológicos, como a forma clássica, variante folicular, encapsulado, esclerosante difusa, de Hürthle, células altas, colunares, insular, trabecular. Em mais de 90% dos casos, a sobrevida é maior do que 10 anos (4).Folicular: Tem origem nas células epiteliais foliculares, pode cursar com metástases hematogênicas à distância, porém com sobrevida acima de 90% em 10 anos. Os subtipos do carcinoma folicular são o minimamente invasivo, invasivo, de Hürthle, células claras (4)

 

Conceitos Gerais Manifestações Diagnóstico Tratamento Acompanhamento

 

nov 5, 2014 by

Comments Closed